Maître Corbeau (La Rue Ketanou) legendado em galego-português

A canção Maître Corbeau (Mestre Corvo) da banda francesa La Rue Ketanou faz parte do seu último trabalho À Contresens (2009). O tema está claramente inspirado na fábula poética de La Fontaine “Le Corbeau et le Renard“. Legendas em galego-português e letra traduzida para a nossa língua.Video disponível em YouTube, Vimeo e Blip.tv.

LETRA

se o Mestre Corvo empoleirado na sua árvore quiser partilhar o seu queijo
wared, zoudch
o micro está aberto, outra cousa não temos, as palavras e a irreverência popular
uma ideia, uma caneta, um caderno, e velai vamos vindo já prontos pra latir
demasiadas palavras, demasiados anos e pode que ainda nada tenha mudado
será que nunca há mudar? essa forma que a gente tem que pensar
de querer sempre ganhar tudo custe o que custar
mas quem diz vencedor diz perdedor
essa raiva dentro de si não lha queremos aprender
a competição para nós é já um problema espalhado demais
por nada do mundo haviamos nós raciocinar desse jeito!
porque…
se o Mestre Corvo empoleirado na sua árvore quiser partilhar o seu queijo
mas o corvo ruim nada deu, nada soltou e o raposo esfomeado arrebatou-lho
ah deixemo-nos de aves, passemos às cousas humanas
porque eu tenho mágoa de ver essa pequena com o nariz sujo nas ruas de Tânger
enquanto do outro lado num restaurante o turista faz-se de desentendido
podre de dinheiro bem quentinho nesta parte do continente …
quando é que vamos parar de reclamar quando é que vamos parar de choramingar
por dinheiro, o homem não é feito pra trabalhar
berramo-lo bem alto no micro
uma escotilha numa sociedade que nos empurra a nos modernizar
e quando a ferramenta estiver bem ‘eletronicada’… será boa pra tirar no lixo…
se o Mestre Corvo empoleirado na sua árvore quiser partilhar o seu queijo
se o Mestre Corvo empoleirado na sua árvore quiser partilhar o seu queijo
se o Mestre Corvo empoleirado na sua árvore quiser partilhar o seu queijo
se o Mestre Corvo empoleirado na sua árvore quiser partilhar o seu queijo
eu tenho o direito a ser alguém, sem um trabalho não sou nada?
mentira! isso são só andrómenas,
incutidas polo ser humano numa facilidade para se aferrar às bóias, à sua bebida
que logo hão ser transformadas em algemas, em gaiolas…
encerrar as mentes um bocado libertadas demais
dez anos a trabalhar na Renault e hoje vende flores no metro
como pode compensar o que ganhava
os gestos impregnados, vira e pega e repassa
toda a sua vida trabalhou numa empresa de merda com um trabalho de merda
onde a filosofia é trabalha mais rápido que os teus vizinhos e chegarás alto amanhã
mas muito longe fica o cume das escadas
e apenas certos corvos é que o podem alcançar
é por isso que voltamos apontar o dedo pra esta questão, em voz alta …
porque
se o Mestre Corvo empoleirado na sua árvore quiser partilhar o seu queijo
se o Mestre Corvo empoleirado na sua árvore quiser partilhar o seu queijo
se o Mestre Corvo empoleirado na sua árvore quiser partilhar o seu queijo
se o Mestre Corvo empoleirado na sua árvore quiser partilhar o seu queijo
ah, sem dúvida o Mestre Raposo, polo cheiro atraído, teria-lhe feito esta homenagem